sábado, 27 de dezembro de 2008

Madagascar 2




Assisti. Tem o mérito de conseguir fazer rir de velhas piadas, ao mesmo tempo que introduz algumas novas.

Achei que é mais comportado: nada de referências a drogas ilegais, por exemplo.

O humor histérico bem cartunesco está lá. Entretanto, escolha consciente, resolveram dar um tratamento à selva africana (não é em Madagascar, embora lá comece, que se desenrola a história) realista, de filmagem. Bem, é bonito de qualquer maneira, sem dúvida: mas eu prefiro o charme daquela selva cartunesca do primeiro.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Feliz Natal!

Tão somente, felicidades!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Dom João Carioca


Dom João Carioca - A Corte Portuguesa no Brasil (1808-21) é uma quadrinização pelo cartunista Spacca sobre a vinda da Família Real Portuguesa ao Brasil, publicada pela Companhia das Letras.

Não é uma história convencional, mas momentos importantes pinçados e desenhados conforme o desenrolar dos acontecimentos históricos. Nos créditos da capa, a historiadora Lilian Moritz Schwarz.

Ao final, model sheets de personagens, pesquisas iconográficas e quetais, como uma espécie de diário de produção e um importante lembrete da pesquisa visual que todo o ilustrador deve saber fazer.

Spacca já tinha feito algo semelhante com Santos-Dumont em Santô e os Pais da Aviação, poucos anos atrás.

Muito bom, recomendo a todos.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Criacionices...

Lá no Escrevinhamentos, um artigo sobre o 'debate' entre o ensino do Criacionismo, Design Inteligente (sic) e Evolucionismo me ajuda a salvar meu mau humor. Obrigado, Victor.

Questões básicas de porque isto não pode ser levado a sério, e malditos sejam os políticos que o permitem, em nome de sua conveniência:

1) Deus é incomprovável e indescomprovável. Portanto, não é matéria a ser abordada como científica. A Teologia se define como a ciência (a respeito) de Deus e, hoje em dia, aproxima-se muito mais da filosofia ao ponderar sobre a condição humana e sua relação com o divino do que qualquer outra coisa. Nada pode ter a ver com biologia, ou o material, de uma forma geral. É como querer classificar o índice pluviométrico ao longo de um período usando um contador gêiger: método e instrumentação inadequados ou inexistentes.

2) A Teoria da Evolução, se apresenta falhas com o passar das descobertas, deverá quando não mais se sustentar revista ao ponto de sua reformulação e, se assim preciso for, substituída por alguma outra - é o processo natural que ocorre com a ciência. Dar por garantido que será substituída é outra coisa e nada tem a ver com a mentalidade científica. Uma teoria precisa ser descomprovada antes.

3) a Teoria da Evolução não procura explicar, comprovar ou descomprovar Deus. Não satisfeito em não ser sua matéria de estudo, vide 1).

4) Quando eu era criança pequena lá em Barbacena, eu ouvia que o Brasil era o maior país católico do mundo. Hoje em dia o termo politicamente correto é o maior país cristão do mundo. Politicamente correto ou não, aqui se vê o desejo de abranger em uma definição um número maior de pessoas - são tempos da bandeira da inclusão, afinal de contas.

Ora, como então, adotar como alternativa ao ensino da Teoria da Evolução o Criacionismo e/ou Design Inteligente (sic) no sistema de ensino, especialmente o público, dentre desta bandeira? Afinal de contas, a visão 'genesiana' é uma visão somente. E os nossos umbandistas, candomblés, budistas, cada um dos nossos grupos indígenas e suas subvariações - não têm eles também direito a ver suas teorias alternativas sendo ensinadas? Não nos esqueçamos de nossos espíritas que, a partir do Século XIX, foram os que mais se empenharam em dar uma aproximação científica ao fenômeno sobrenatural: porque suas teorias científicas também não seriam ensinadas?

A resposta é simples: vide 1) e, além do mais, obviamente que não haveria tempo para tudo isto e mais o ensino das matérias Português, Matemática, etc. etc. etc. Bem, sendo assim, vamos para a neutralidade, tão laica quanto deve ser o Estado: passemos a ensinar somente teorias realmente científicas.

A visão judaico-cristã da origem do mundo se baseia no primeiro livro da Bíblia, a Gênese. Entretanto, já repararam que nunca tem nenhum judeu falando algo parecido com o Criacionismo ou o Design Inteligente (sic)? Até onde me garante quem conhece a matéria bem melhor do que eu, para os judeus a ciência a cada dia tão somente nos ajuda a desvendar um pouco mais da complexidade - adendo meu: portanto, beleza - da Obra. Period. Maturidade é isso ai. Aprendam, crianças.

5) O que nos leva a um outro probleminha, para quem realmente se importa com uma devida educação cristã. "Eu só acredito vendo" foi o que São Tomé disse, quando os seus camaradas discípulos vieram lhe contar que Jesus havia ressucitado, e já tinha aparecido para o pessoal em encontros na surdina, dado à perseguição romano-israelense de então. Na oportunidade que teve de encontrar Jesus, este respondeu, "E ai, bacana, o que é que você ia dizendo? Pois é, você viu e acreditou. Feliz aquele que não viu, mas acredita."

Tibieza é o nome do pecado de São Tomé. O da fé vacilante. A que requer provas. Todo este discurso cada vez mais bem elaborado do Design Inteligente (sic) ou de seu primo da roça, o Criacionismo, escondem uma dúvida cada vez maior. Falta aos seus proponentes a coragem de vasculhar suas próprias motivações, e de encarar esta dúvida.

Agora, o que não pode, é sistematizar a divulgação esta dúvida às massas: não deixa de ser que nem a pornografia, que promove a luxúria.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

100 mil

Na favela Pavão-Pavaozinho, tem barraco sendo desapropriado para as obras do Programa de Aceleração do Crescimento por até cem mil reais.

...

Então tá.

sábado, 29 de novembro de 2008

Ajudando Santa Catarina

Doação de alimentos, roupas e/ou cobertores em Santa Catarina:

As doações podem ser feitas em qualquer unidade do Senac/SC, CIEE/SC, OAB/SC e Defesa Civil de todas as cidades catarinenses.*

Doação de alimentos, roupas e/ou cobertores em outros estados:

Encaminhe doações para a defesa civil de seu estado ou para o exército.

Para ser um voluntário:

Divulgador da Campanha de Doações SENAC

Voluntário organizador de campanha para desabrigados

Divulgador da Campanha de Doações CIEE

Divulgador de formas de apoio aos desabrigados de SC

Outras oportunidades disponíveis.

Para doação de dinheiro:

A Defesa Civil catarinense abriu no final da tarde desta segunda-feira (24) duas contas bancárias para receber doações em dinheiro para ajudar as pessoas atingidas pelos desastres naturais. Os interessados em contribuir podem depositar qualquer quantia nas contas:

Banco do Brasil: Agência: 3582-3 / Conta corrente: 80.000-7

BESC - Banco do Estado de Santa Catarina: Agência: 068-0 / Conta corrente: 80.000-0

O nome da pessoa jurídica é Fundo Estadual da Defesa Civil, CNPJ - 04.426.883/0001-57.

Todo dinheiro arrecado será utilizado para compra de mantimentos para os desalojados.

Para maiores informações sobre as doações e sobre a situação dos municípios de SC visite: Defesa Civil.

Para saber os endereços dos locais de entrega de alimentos e cobertores:CIEE SC, SENAC SOCIAL, OAB SC ou RBS

Todo e qualquer tipo de apoio é muito bem vindo! O IVA e as famílias de Santa Catarina agradecem a sua colaboração. Conte com a gente e entre em contato em caso de dúvidas.

Muitíssimo Obrigado,
Instituto Voluntários em Ação

Rua Deodoro, 226 - Florianópolis - SC
Cep: 88010020Telefone: (48) 3222 1299

www.voluntariosemacao.org.br

www.voluntariosonline.org.br

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

E tome política de quotas...

Um debate rola agora na Globonews entre o Senador Cristóvam Buarque (PDT) e o dep. fed. Paulo Renato (PSDB), ambos ex-Ministros da Educação, sobre política de quotas em escolas e universidades.

O Senador é o mais doce iludido. Apóia a quota étnica universtária, para que se possa ter uma elite negra no Brasil, mudar a cara da nossa elite. Imagino que o Senador creia que esta nova elite seja uma elite solidária, face a história do negro no Brasil.

Desnecessário dizer, estou babando sangue.

Como se não bastasse tudo o que costumo pensar sobre uma escolha baseada em critérios étnicos para o que quer que seja, eu acho que este motivo é inexistente. Uma elite social é uma elite social. Period. A capacidade de atribuir um excesso de vícios a um grupo social ou étnico é tão racista quanto a capacidade de atribuir virtudes em excesso, pois ambas as atitudes desumanizam o alvo: a primeira, em um negativismo, pondo-o além de qualquer redenção. A segunda, por privá-lo da dimensão do erro.

Os debatedores concordam, discordando, que o critério de estabelecimento do que é 'raça' é totalmente subjetivo, e haja IBGE para definir isto - é claro que não vai dar certo. Isto apenas irá polarizar a questão racial, o mestiço no Brasil terá que escolher lados.

Disse o Senador que uma vantagem é tirar de debaixo do tapete o assumir-se negro. Ok. Sem problemas até ai. O que pega, entretanto, é o novo "debaixo do tapete", o novo "não se comenta isto": pessoas que, claramente - no pun intended - não são negras. E, se apelarem para o 'realidade é percepção', então na minha realidade vejo muita gente se iludindo, em prol de uma auto-afirmação que não irá valer a pena, em um projeto geral de Brasil.

Imagino que Darcy Ribeiro, que defendia a 'raça brasileira' baseado na mestiçagem, esteja rolando no túmulo.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Imprescritível...

Tortura é um crime imprescritível, disse a Ministra Dilma Roussef.

"(...) o crime de terrorismo também é imprescritível." - declarou o Ministro do STF Gilmar Mendes, em resposta.

Tá, e ai?

terça-feira, 4 de novembro de 2008

O Otimismo Desvairado

Em valiosa dica dada no comment abaixo, puxo pra cá o link para o blog de Marco Fonseca, que me referi da tal eleição do cybervereador.

De cara, o mais recente artigo, no momento em que gero este post, é um recado contra otimismo desvairado, para os eleitores de Gabeira que, como eu, acreditam que metade da cidade é burra.

O recado foi dado, sem dúvida. Há ainda que se considerar que não é "mais uma opinião", mas alguém que viveu ali pertinho de como a outra máquina funciona.

Mas devo dizer que eu continuo um mau perdedor.

sábado, 1 de novembro de 2008

Democracia + Internet

Em um excelente artigo, meu prezadíssimo Victor Barone, a bordo do seu Escrevinhamentos (na coluna ao lado), fala da importância da internet no processo democrático, indo em direção da democracia participativa, ao invés do nosso já batido modelo representativo.

Lembro de um candidato a vereador pelo PV aqui no Rio, anos atrás, que se apresentava como o Cybervereador. Ele vinha com essa proposta, de implementação na câmara de vereadores. Sequer foi eleito, como era de se esperar. Mas quem o conheceu de perto disse que ele era sério, e sua proposta não era a de nenhum doidivanas. Nunca mais soube dele.

Parabéns pelo relevo do tema, Victor, assim como pela forma que você o apresentou.

Churchill dizia que a democracia era o pior dos sistemas políticos possíveis, salvo por todos os outros. Bem, a ciberdemocracia talvez possa deixar a coisa ainda menos pior...

domingo, 26 de outubro de 2008

50,83% x 49,17%

Olha.

Podem me chamar de mau perdedor. Admito.

Mas metade dos cariocas é burra.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

É.

Na TV, especialistas em segurança dizendo exatamente o que eu desconfiava, sobre reféns sendo mandados de volta ao cativeiro e envolvendo menores em operações de alto risco - quando não isto ter durado cem horas, afinal convenhamos: aquele desequilibrado não é nenhum gênio do crime.

E ai, é claro, o festival de erros não terminou.

A reação da polícia envolvida e até mesmo de um ou outro político foi a de que "se tudo desse certo, a polícia estaria sendo aplaudida".

Eu não sei como começar a dizer o porque disto é simplesmente errado. Sério, palavras me faltam. Deixa ver... é o princípio do "campeão moral" no futebol, ou alguma torpeza dessas?

Até algumas tantas horas atrás, a mãe da vítima não havia sido informada sobre a morte cerebral da menina, sendo mantida em silêncio, enquanto o resto do país se comove e já até sabe sobre a doação de órgãos. Ou seja, ainda vira um "Show de Truman".

Chega, né? Chega.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Enquanto isso, em São Paulo...

Olha... eu não sou nenhum especialista.

Mas lá em Sampa, onde rola desde segunda um sequestro dum ex-namorado enciumado com a ex-namorada, parece-me que uma ou outra coisa não está de acordo "com o manual", embora eu nunca tenha lido. A saber:

1) Mandaram a amiga (que era também refém) da namorada libertada de volta pro apartamento onde o sujeito mantém a ex como refém. Ora... refém liberto é refém liberto, não? Não sei se há uma aplicação de caso-a-caso, mas me parece que se o cara surta e mata a ex, é uma vítima que ocorre. Se o cara surta e mata a ex e a amiga da ex, são duas vítimas que ocorrem.

2) A amiga é 'de menor'. E foi mandada para uma operação de alto risco.

Tem alguma coisa errada... ou é por ai mesmo?

UPDATE: Carol me chamou a atenção de um post de outro blog, da Maria Carolina, o qual puxo dos comments pra cá. Deve ser isto mesmo.

UPDATE 2: E terminou mal. A amiga com um tiro na boca, mas fora de perigo. E a ex morreu.

Novamente: desde quando mandar ex-reféns de volta ao cativeiro, e ainda por cima menores de idade, é estratégia do GATE?

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

O Horror...! o Horror...! - III

A esta altura do campeonato, pra vereador, eu chutaria que:

Tem nego com proposta de verdade, em geral quem já tem um passado político.

Tem nego ali apenas para se lançar e ficar mais conhecido com o tempo.

Tem nego ali que só pode estar de sacanagem.

Curioso o número de patentes: capitão isto, tenente aquilo, sargento tal.

Alguém comentou no jornal que o TRE podia dar uma faxinada: candidato tem nome e sobrenome. Lula teve que acrescentar o apelido ao nome, se quisesse que fosse eleito, por um vasto eleitorado que não tinha a menor idéia de quem era Luís Inácio, já de tempos atrás.

E ai o Globo, só pra aporrinhar, publica numa pequena box sobre a câmara de vereadores de Berlim: só trabalham de 9 às 12 e ganham ajuda de custo - sabe como é, à tarde os vereadores têm seus empregos, pagos, de onde tiram seu sustento.

Só pra aporrinhar. Lógico.

Ok, de volta à ativa...


Sério, viram a moça do Juízo Final?

O nome dela é Sarah Pallin, atual governadora do Alasca e escolhida para ser vice do republicano John McCain.

A moça é contra o aborto, topando ter seu quarto ou quinto filho mesmo sabendo que ia nascer com Síndrome de Down. É a favor do comércio e porte de armas. Foi escolhida para atingir o lado (mais) redneck do eleitorado republicano, que, acreditem, McCain não atinge por ser moderado demais. Disse que haveria a possibilidade dos EUA entrarem em guerra com a Rússia em breve.

Arriscando a dar uma de Regina Duarte, eu tenho medo. McCain está com 72 anos. Caso eleito e não viva os próximos quatro anos, a moça ai em cima assume. Ela está toda-toda nos seus 40 e poucos anos. W-Bush disse certa vez que acreditava no Criacionismo. E ela vai pelo mesmo caminho. Há uma filmagem dela presente a alguma neopentecostal onde se pregava que o Alasca era a terra prometida de Deus, e quando o Apocalipse viesse, lá se refugiariam Seus fiéis. O marido é presidente do partido separatista do Alasca.

Sabem, o próprio Deus que nos proteja dos coerentes. Uma coisa é um W-Bush que eu duvido que acredite na porra que for, que só diz coisas para seu eleitorado. Talvez algum dia tivesse acreditado. Claro, não o impediu de fazer a(s) merda(s) que fez, mas isso tem mais a ver com os amiguinhos do petróleo (de quem Pallin pelo visto tb é) do que qualquer outra coisa. Mas pela safadeza nata ou não, ele teve a idade para ajudar a amaciar certas posturas. Pallin está, como disse, toda-toda em seus quarenta.

O quadro dos próximos quatro anos fica... interessante. Da mesma maneira que os EUA chiam sobre a República de Geórgia, país-membro da OTAN, a Rússia resolveu abrir acordo de desenvolvimento para fins pacíficos de um programa nuclear com a Venezuela. Da última vez que se quis mexer no quintal alheio resultou na Crise dos Mísseis de Cuba. McCain tem um piripaque em algum dado momente entre agora e, digamos, uma e por que não? reeleição. Mas acho que vocês já entenderam. É bom, é realmente bom, que o afro-euro-descendente vença.

Que mandou aquela, pouco, digamos, educada até, que não adianta passar batom em um porco, pois ele continua um porco.



Bom ver que não sou eu apenas que está surtando com isto.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

"Outros Sentidos" - é sexta-feira!

Relembrando:

"o coquetel de lançamento do meu livro, “Outros Sentidos”, acontece no dia 26 de setembro, entre 18 e 21h, no Espaço Bora Bora (Av. Abelardo Bueno 2.510, Barra da Tijuca, em frente as arenas do Pan). A obra traz poemas meus, fotografias da fotógrafa Elis Regina Nogueira e nanquins e arte digital da publicitária Nanci Silva.

Durante o evento será realizada exposição sob o tema “Os Sentidos” reunindo trinta artistas plásticos cariocas – dez deles pintando ao vivo temas relacionados à obra. Além disso, atores da Companhia Teatral Artisando recitarão poemas do livro. Também compõe a programação show da banda Pegadas Jazz."

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Fora LHC!!!

E estamos aqui.

Ontem, de madrugada, varamos a noite eu e mais três camaradas à espera da transmissão do disparo do Large Hadron Collider. Reunimo-nos bem tarde, e saímos só no dia seguinte. Um pouco decepcionados porque a webcasting não tinha emplacado pra gente (é, mais The Big Bang Theory, impossível), o jeito foi apelar pra BBC, dando cobertura integral (melhor que a CNN, que às vezes pincelava o assunto).

Quando veio o disparo, foi curioso ver a reação entusiasmada dos cientistas e a cara de perdida da repórter. Um dos meus amigos foi cruel, "eu não posso ser tão burra, eu tenho um MBA!"

Mas eu lembro quando o - acho - NatGeo resolveu transmitir sobre a revelação de uma pequena câmera oculta da pirâmide de Quéops, que corria por um túnel estreito, com um bloco de pedra impedindo a passagem. O canal ficou falando de Egito Antigo por um mês, anunciando a transmissão ao vivo da revelação da câmera oculta, e blá-blá-blá.

Enviaram um carrinho com uma perfuratriz e uma câmera pelo túnel, furaram a pedra, meteram a câmera e acharam... outra pedra bloqueando a dez centímetros da original.

Enquanto os arqueólogos estavam eufóricos, os apresentadores fingiam que estava tudo bem, mas a cara de "é uma pedra, porra, e agora, o que vamos dizer?" era patente até na dublagem.

Mas quanto ao evento em si, pensava nos bebês de agora, que aos 21 anos levariam uma monstruosidade tecnológica daquelas no pulso, recarregável por movimento corporal, quando pelos 20 anos. E o quão ainda haveriam de rir nesta época, do temor -- desta vez patrocinado até por outros cientistas e grupos seculares -- de que a probabilidade ínfima valesse mais do que tudo, e o planeta tivesse se ido embora devorado por um buraco negro, e fôssemos destruídos por nosso próprio Frankenstein.

Enfim, estamos aqui.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

O Horror...! O Horror...! - II

"escluído"

E uma outra no estilo "escolhese", mas que não era essa palavra, o hífen é que levou bilhete azul.

E a fauna continua.

O lado bom, se tanto, é ver um certo no. de candidatos se dizendo contra a aprovação automática nas escolas...

terça-feira, 2 de setembro de 2008

O ABC...



... da Família Addams.

Trevas essa, hein, moça?

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Dois eventos II

Ficou meio grande ai embaixo, vamos ao segundo.

Sábado fui no I GNUGraf, dedicado a programas de design, audio, vídeo e animação que rodam em plataforma Linux, naturalmente sendo gratuitos. Eu anuncei aqui com - muita - antecedência, deveria ter falado mais próximo... enfim.

60 pessoas para 150 lugares, foi considerado um resultado muito bom, para A) quem realizou este tipo de evento pela primeira vez em B) um sábado C) chuvoso.

Muito bom ver tanta gente realizando com relativa pouca idade este tipo de iniciativa, além de acreditar naquilo que faziam, ali o esforço foi totalmente voluntário. E, realmente, a plataforma gratuita se consolida cada vez mais como uma opção econômica viável para quem quer competir e não pode pagar por programas gráficos de quatro cifras.

A jovialidade, aliás, era a marca. Em um clima de total informalidade, os palestrantes comunicaram o recado perfeitamente com o público, mantendo uma postura profissional na hora de falar ao que vieram, atendendo às inúmeras perguntas sempre; e brincando bastante com a mesma audiência, especialmente quando a "passagem de som", ou seja, a mudança de laptop dos palestrantes ameaçava demorar um pouco. Foi tudo filmado, espero poder assistir em breve.

No link acima, cliquem em Palestras no menu, para terem uma idéia da programação.

Que venha o GNU Graf 09!

Dois eventos I

Quinta passada, no cineclube do MAM, aqui no Rio de Janeiro, passaram uma cópia de Sinfonia Amazônica (1951), de Anélio Latini Filho, que vem a ser o primeiro longa-metragem de animação brasileira.

Anélio foi um lutador, um exemplo do que foi, ao longo de quase todo o Século XX, a figura do realizador de animações no Brasil: um amador se aprimorando em troca de um trabalho ingrato, possuidor de uma paixão única.

Gastou cinco anos para realizar, solitário. Fez sucesso, mas o distribuidor o roubou, mostrando-lhe contas falsas da exibição em outras cidades - a despeito de cartas de fãs que chegavam de várias partes do Brasil, falando das filas nos cinemas. Tentou relançá-lo para captar recursos poucos anos depois, mas uma lei estúpida de então proibia relançamentos, para que novas produções pudessem ter a chance de aparecer nas telas. Iniciativa boa, prática desastrosa, como costuma ser de natureza do Estado. Nos EUA, animações como Branca de Neve são relançadas a cada 10-15 anos sem problema.

Na platéia, a presença de Horácio Young Jr., com seus 70+ anos, que conheceu Latini ainda vivo. Também é profissional de animação, e ainda atua. Emocionou-se ao ver o filme, que aliás vem sendo restaurado. Ano que vem deve sair em DVD. Um breve debate com a sobrinha de Latini, Claudio Bueno, restaurador, um cara do cineclube e os animadores Marcelo Marão e Marcos Magalhães, um dos diretores do Anima Mundi.

Bom ouvir Claudio Bueno, o responsável pela restauração, sobre como ele se envolveu com a obra, e o carinho que lhe dedica. A obra de Latini merece.

Sinceramente...

However, the court will rule on allegations that the experiment violates the right to life under the European Convention of Human Rights.


... eles deviam era apertar o botão agora.

A idiotia não se manifesta agora por temores religiosos ou o que. Mas meteram Direitos Humanos nessa.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Falando de coisas legais...

... o Planetário da Gávea está montando uma exposição de arqueo-astronomia, ou seja, meios que os povos antigos tinham para observar e prever eventos astronômicos. Stonehenge não será mencionado, uma vez que a ênfase será nos povos pré-colombianos. Uma bela reprodução do calendário maia em, creio, 1:1 fará parte da mostra.

E, pelo que soube, os limpos ares de Santa Cruz poderão ser aproveitados pela instalação do primeiro Planetário digital do Brasil. Parabéns, pessoal da Zona Oeste!

Enquanto isso, no Império...

A verdadeira arte americana transcende os conceitos tradicionais de arte: cinema, dança, teatro, etc. Não, é algo que é todo deles, e que eles fazem com maestria impar. E está presente em blockbusters hollywoodianos, em peças da Broadway, lançamentos de foguetes, noticiários e na guerra.

A verdadeira arte americana é a do show. A do arrebate das massas. O 'Oooh!' e o boquiaberto coletivo. Insuperáveis. Isso está agora em evidência na política. Pra que tanta comoção pra se escolher um candidato? Que sistema político torpe é esse, em que se gasta uma grana obscena para pré-candidaturas, que dirá the real deal?

Agora Obama é branco e operário. Um feito impressionante para um senador negro formado em Harvard.

Pois é moça, falou curto e bonito. O que eu acho curioso é que a questão por trás da cor de Obama é mais complexo, mas que não fará diferença alguma. Primeiro, ele não é negro, ele é mulato. Ele é filho de uma miscigenação pouco tolerada naquele país, cuja lógica binária está cada vez mais sendo absorvida por esta nossa droga de país. Mas, ao mesmo tempo que isso potencialmente acende uma chama de discussão maior sobre a importância ou desimportância da cor de um candidato, e a que agenda isto serve, é igualmente irrelevante: não se aceita miscigenação naquele país. Ponto. É raro, é pouco e mal visto, e não se fala mais nisso.

É uma pena. Porque euzim aqui acho que é um feito maior ainda do que um candidato negro com chances reais de presidência.

O Horror...! O Horror...!

O horário eleitoral gratuito começou.

"deficiênte" e "ascíduo" lidos agora à noite nas legendas de alguns candidatos.

Fora a fauna em si, é claro.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

"Outros Sentidos" no Rio

Meu caríssimo Baroni anuncia:

"o coquetel de lançamento do meu livro, “Outros Sentidos”, acontece no dia 26 de setembro, entre 18 e 21h, no Espaço Bora Bora (Av. Abelardo Bueno 2.510, Barra da Tijuca, em frente as arenas do Pan). A obra traz poemas meus, fotografias da fotógrafa Elis Regina Nogueira e nanquins e arte digital da publicitária Nanci Silva.

Durante o evento será realizada exposição sob o tema “Os Sentidos” reunindo trinta artistas plásticos cariocas – dez deles pintando ao vivo temas relacionados à obra. Além disso, atores da Companhia Teatral Artisando recitarão poemas do livro. Também compõe a programação show da banda Pegadas Jazz."

domingo, 24 de agosto de 2008

O País dos Ingratos

Eu não deixo de ter esta sensação ao término desses jogos olímpicos.

Se não tiver um investimento emocional povão embutido E não for ouro, não nos interessa nem comove. Ainda xingamos, no último caso.

Achei o 'teaser' de Londres 2012 fraquinho que só, e o encerramento podia ter terminado naquela torre cheia de acrobatas. Cantoria pop chinesa eu tô fora.

Mais em quatro anos.

sábado, 23 de agosto de 2008

Momento velho moralista...

... eu não sei porque a crença de que quem tem tv por assinatura não tem crianças em casa ou algo assim.

Aos interessados de plantão: quem tiver o plano expandido da Net, e se preocupar com filhos pequenos em casa, aconselho tomar cuidado com o canal que atualmente ocupa o #90, Ani max, destinado a passar animação japonesa 24h por dia, e alguns filmes de ação, aventura, mistério, etc. Até ai, tudo bem, rolam algumas coisas bem interessantes, como Gankutsuou, uma releitura bastante criativa do clássico de Dumas, pai, O Conde de Monte Cristo.

O problema é que não apenas anunciam, como passam algumas animações em plena luz do dia - não vou nem entrar na questão da violência - com alguns temas como prostituição juvenil e cenas sugestivas, como nudez feminina de perfil, e coisas assim. Há a opção de bloquear os canais pelo controle remoto.

Para um adulto tarado que nem eu, o que mostra já não significa nada. Mas para quem tem criança em casa e responsavelmente se preocupa com conteúdo, está dado o toque.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Exposição de gadgets vitorianos

Muito bom! Os óculos periscópicos são meu sonho de consumo.

terça-feira, 19 de agosto de 2008

O Coração das Trevas

Comprei O Coração das Trevas, em uma edição da Martin Claret, dez pratas na banca. Andava cismado com este livro desde que soube que ele entra na composição direta de King Kong e é a base para Apocalypse Now. Lendo o livro, muita coisa se explica das duas obras.

Escrito por Joseph Conrad, escritor polonês que se bandeou pra Inglaterra no Século XIX, da estirpe dos escritores-aventureiros, registrando com o talento da palavra suas experiências em locais exóticos e distantes -- ele própio um marinheiro mercante -- para a Europa de seu tempo, ávida por novidades.

É um livro de leitura densa, com excessiva - aos olhos deste ignorante, pelo menos - descrição de lugares e sensações, mas tão densa quanto a selva que o protagonista vai se embrenhando. Assim como em Apocalypse Now, há o mítico "homem que não está lá", mas que ao redor todas as admirações giram, de suas ações, pensamentos e feitos, o mítico Kurtz. Talvez seja o maior "macguffin" da literatura pelo menos até a estatueta de Relíquia Macabra/O Falcão Maltês: o tempo todo lemos sobre o quão geniais são as idéias de Kurtz, o tempo todo lemos sobre sua grandiosidade, que os nativos o veneram -- mas não temos a menor pista sobre quais exatamente elas sejam, ou como exatamente ele fez para ser tão adorado, independente da cor de pele.

Talvez o importante ali seja exatamente a viagem de Marlowe, o protagonista, e o quanto isto o transformou. Uma fonte de oposição permanente, com tons sombrios, quase consciente, tida como maléfica, é a selva pela qual todos viajam a bordo do vapor caindo aos pedaços até o entreposto de marfim gerenciado por Kurtz. Nem precisa de ataque de selvagens: basta a presença da densa selva ao redor, como se aguardando o momento oportuno de atacar, olhando feito diretamente para os invasores ali. E, apesar de tudo, eles continuam avançando.

"O Coração das Trevas" é um título que tem alguns níveis de interpretação possíveis: tanto da parte não aberta dos mapas, quanto da selva em si, quanto dos horrores que o colonialismo europeu impunha no continente africano. Conrad não faz nenhuma apologia aberta contra o sistema, mas não precisa. A passagem pelo primeiro entreposto comercial e o estado de alguns tantos escravos ali presentes pode dar alguns engulhos. Não creio que ele precisasse ter exagerado de alguma maneira.

A edição da Martin Claret ainda traz, ao final, resumo e análises das partes do livro. É bem interessante. Destaco o comentário sobre o conservadorismo político de Conrad não impedir que seus personagens sejam, do que fala o livro, outsiders no geral. Um paradoxo bem-vindo, creio.

Cheguei a comprar Nostromo, um romance dele. Vamos ver como se sai.

O Sorriso do Dragão

Meu prezadíssimo Victor Barone escrevinhou um ótimo texto sobre a ditadura chinesa e a prática da propaganda e mentira associada às Olimpíadas.

Reproduzindo o comentário que deixei, males da Era do Veja-Bem: desde a queda do Muro de Berlim que a polarização das idéias arrefeceu, e o mínimo de preço a pagar por apontar que o outro rei está nu - aturar que se aponte o rei de cá, digamos - não mais é aturado.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Jogos Olímpicos, hein? - III

Ok, eu realmente deveria deixar esses Jogos de lado. O lance de correr tudo em uma ditadura escrota como a China realmente pega. Deve ser um dilema parecido como o de 1970 e a copa do mundo que deu o Tri ao Brasil, no auge da milicada.

Como em 70, deveria-se ter alguma reação não do COI, que são um bando de vendidos, mas da própria base, ou seja: os atletas. Mas já que o patrocínio, o ego e a obstinação (não necessariamente nesta ou em qualquer ordem) vêm antes, paciência.

Bom ver que há quem fale ainda contra isto. No blog Além do Jogo, uma matéria sobre isso, mostrando inclusive a ótima foto de uma nadadora alemã contra a perseguição política na China.

Mas aqui em casa a turma é fanática, e eu acabo assistindo.



Até porque eu tenho minhas torcidas próprias. A moça acima descobrimos na olimpíada passada, no momento em que as meninas do vôlei tomavam uma coça da China ou Coréia, algo assim. Irritados, mudamos pra outro canal. Tinha um close em uma bela moça, falando rápido e sozinha, como se fosse uma possuída. Em seguida ela ganhava medalha de ouro e estabelecia novos recordes, olímpico e mundial. Hoje de manhã foi a mesma coisa. Medalha de ouro e novos recordes, olímpico e mundial. 5,05m, aliás. Vai encarar?

O tom triste foi da atleta da mesma categoria Fabiana Murer, que simplesmente teve a vara de salto perdida pela organização chinesa (uma sacanagem com ela e em dois atos, já que as piadas infames já começaram). Até o técnico da bicampeã acima foi chiar junto com o brasileiro. Sabem, eu acho isso engraçado. De país com arsenal nuclear ninguém perde nada.

Da Rússia, por exemplo. Que enquanto os Jogos que um dia interrompiam guerras ocorrem, eles entram com areia na República da Geórgia.



As moças acima, de uma categoria de tiro, são da Rússia e da Geórgia, confraternizando no pódio. Isto deveria ser destacado mais na imprensa.

E a essas tantas, vai ficando óbvio que não haverá abertura política de porruma, conforme promessas para o COI (oh, tadinhos, eles acreditaram!); mas antes o reforço de propaganda de um sistema autoritário, carregando o nacionalismo nas tintas. Na terra do filho único, isto será nefando.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Qual a Natureza...

... a China prevalecerá pelos números.

Quem viu a abertura dos Jogos, sabe do que falo.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

sábado, 2 de agosto de 2008

Desenho animado dublado...

1) Ok, o público-alvo primário é o infantil (que é o mais rentável mercado de DVDs, diga-se de passagem).

2) Ok, que me dizem, o trabalho tanto de tradução quanto de interpretação - salvo 'famosos' da vez, como o Bussunda - vêm melhorando nos últimos anos.

3) Ok, os dubladores se organizaram, e batalham cada vez mais oportunidades de trabalho para si.

Errado então sou eu que a) sou adulto que gosta de desenhos animados, b) que tem domínio até razoável de inglês, podendo identificar e curtir piadas no idioma original e que c) acredita que entretenimento deveria significar opção.

Enfim...

Olha, Mãe! Sem Eletricidade!

Na mitologia grega, o Dodekatheón eram os doze privilegiados que moravam no Condomínio dos Deuses, o próprio Monte Olimpo. Eram Zeus, Hera (casamento), Apolo (medicina), Hermes (comércio), Afrodite (amor), Atenas (sabedoria), Poseidon (mares), Hestia (Lar), Demeter (cultivo), Ares (guerra), Artemis (caça) e Hefaistos. Este último é o deus dos vulcões e fogo -- e dos metais e metalurgia, escultores, ferreiros e artífices.

(Os demais deuses mandavam em mais coisas, estou somente abreviando um pouco).

Hefaistos (Vulcano, pelos romanos) é o responsável pelo equipo de muita gente bacana da época: dos relâmpagos de Zeus (como todo mundo que assistiu a Fantasia sabe) às asas de Hermes, a carruagem do sol, a armadura de Aquiles, etc. -- e ainda, um curioso número de seres artificais. Talos, o gigante de bronze que patrulhava a ilha de Creta, por exemplo, cuja descrição nos dá a idéia de alguma coisa composta de partes em metal, não somente feito de uma peça, o que seria uma estátua. Havia figuras históricas, como Arquimedes de Siracusa ou o menos renomado Heron de Alexandria, que eram inventores de época.

Mais do que o assombro que essas técnicas e tecnologias causavam no imaginário de época (ou seja, até a Ficção-Científica os antigos gregos inventaram) era a engenhosidade do que foi deixado em registro... e descoberto.


Fonte: O Globo On-Line

O Mecanismo de Anticítera foi descoberto por pescadores de ostras nas costas da Grécia em 1900, um sistema de engrenagens de 2100 anos de idade que levou muito tempo para se começar a entender para que servia. Com o tempo, viu-se que tinha funções de navegação e previsão de eventos astronômicos. Uma nova função foi levantada agora, aparentemente a de demarcar, em ciclos de quatro anos, quando se dava os jogos olímpicos de então. Genial.

Se for certo indicar que este status conferido a esses doze deuses e suas áreas de influência são um reflexo do que importava aos gregos antigos, dá a pensar o que ainda há por ser descoberto por ai.

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Em Terapia

Em uma época de vitrines cada vez mais brilhantes e pouco, mas pouco mesmo, conteúdo, é renovador conhecer uma série de televisão que aposta em roteiro, personagem e diálogo, antes de mais nada.

Baseado na telessérie israelense BeTipul, Em Terapia acompanha a semana de um psicanalista através de seus pacientes e de sua própria sessão, com uma estrutura semelhante à das novelas, indo de segunda à sexta-feira com paciente diferente, mas que é sempre o mesmo daquele dia, enquanto dura a temporada. Por exemplo, em todas as terças-feiras, é sobre o acompanhamento de Alex, um piloto militar sofrendo de estresse pós-traumático de guerra. Às sextas é que é o dia da análise do protagonista - o sempre excelente Gabriel Byrne, que dá ao seu personagem, o Dr. Paul a credibilidade e o peso necessário para o papel.

O elenco de apoio é bem competente: Dianne Wiest atura em seu divã o protagonista, que não sabe desligar o modo analista nem por um segundo, e os pacientes semanais, ainda que por atores não exatamente reputados (sempre com aquela sensação de "eu-já-vi-essa-cara-em-algum-lugar"), eles defendem muito bem seus personagens. Acredito que direção aqui tenha sido fundamental. Seria muito fácil, por exemplo, deixar Melissa George (que passei a chamar Melissa Gorgeous) apenas ser a gostosinha do programa e rolar solto.

A cada semana, por 45-50 minutos, temos o desenrolar natural de cada tratamento, com suas perdas e ganhos, baixas e altas, quase totalmente encerrado na confortável sala de atendimento do Dr. Paul e centrado em longos diálogos, plano e contra-plano todo tempo -- e de repente acabou o episódio.

Dá até pra estranhar, 'ué, já?' Sim. E você fica esperando para ver como vai ficar semana que vem, ou esperando o episódio do dia seguinte.

A série passou com vários horários diferentes para cada episódio em mais de um dos canais HBO (sim, é uma série da HBO...) aqui no Brasil (mas sem estragar a ordem), promovendo mesmo o show, mas quando terminou, reprisaram apenas na semana seguinte os últimos episódios, e no more. Sensação de abandono legal.

Segundo esta matéria, de acordo com o produtor executivo e diretor Rodrigo García (filho de García Márquez), a segunda temporada da série - cotada pra três Emmys este ano -- começa a ser rodada em Novembro próximo.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Deathsigner!

Ok, não é privilégio da categoria. Mas qualquer um que tenha já que ter lidado com cliantas (tm by D. Elvira) sabe o que é isso.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Pois é...

Amigo meu ligou agora à noite. De férias.

Trabalha numa ONG que lida com inclusão digital junto a uma favela da Zona Sul do Rio de Janeiro.

Contou que a ordem é deixar passar. Aprovar de qualquer jeito.

Sendo contrário a isto, ainda se espantou da maneira em que as coisas lhe foram colocadas: disseram que ele tinha que 'se alinhar' de acordo como lá dentro pensavam.

Perversão stalinista, segundo ele, que entende dessas coisas melhor do que eu.

Tempinho atrás, uma economista que conheço se viu a perigo no emprego, em uma importante instituição de Economia, após a diretoria - todos do PT - adotar certas atitudes eticamente questionáveis, e ela ter ido contra.

Ei, não se choquem -- é tudo pela causa, afinal...! Tudo pelo bem maior...!

Algum dia eu escrevo porque eu acho que o socialismo - e qualquer um de seus sabores - é a religião sem deus.

Open Library...

... das coisas que surgem para - me, ao menos - lembrar porque a Internet é um troço docaray: Open Library, um acervo de livros on-line - não, não é pirataria, bando de toscos! - com inúmeros livros históricos. Surrupiado lá da Carol, claro.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Batman - O Cavaleiro das Trevas

Spoilers abaixo.

Assisti. Gostei, enquanto filme de Super-Heróis, dou nota 9.

Ok, Heath Lodger é o Coringa, e sempre será. Ele realmente leva o filme, e Aaron Eckhart também manda muito como o Duas-Caras.

Gostei de ver uma Gotham City menos quadrinística e mais realista. A fotografia não puxava para certos exageros coloridos, a idéia toda era uma trama mais densa, psicologicamente, até. É o Batman dos quadrinhos como A Piada Mortal ou O Cavaleiro das Trevas, que foram sumariamente ignorados na época pelo senhor Tim "eu nunca li quadrinhos do Batman" Burton, resultando em filmes merdianos. Sabem, ler quadrinhos aqui é fazer o dever de casa. E dado o grande número de citações, sutis, na maioria delas visuais, o dever foi muito bem feito.

Elenco que tem Gary Oldman, Morgan Freeman e Michael Caine não pode dar muito errado, convenhamos. Infelizmente, talvez haja um excesso de personagens na trama, o que às vezes me passou a idéia de algo meio burocrático (não tão ruim como Indy IV, decerto). Deu também a impressão que algumas montagens me pareceram excessivamente confusas. Pelo menos a cena da invasão da cobertura do Bruce meio que foi corrida, e de repente acabou, digamos. No mais, o dilema final lembra muito os de Homem-Aranha 1 e 2. Claro que o aracnídeo deu mais sorte e pôde salvar Mary Jane E um ônibus cheio de gente; e o ranzinza povo de NY topou encarar Otto Octavius para defendê-lo.

E é bom ver o diretor se corrigindo do primeiro filme, onde Batman deixa pra morrer Ras al'Ghul. Nyet.

Havia crianças pequenas na sala. Não sei se é boa idéia, tem umas coisas ali que talvez possam impressionar.

terça-feira, 22 de julho de 2008

Arqueologia virtual

Tempo atrás um geólogo descobriu uma cratera usando o Google Earth. Imaginei que benefícios isto poderia trazer para a arqueologia; e que se o Google de repente topasse, podia-se fazer uma espécie de Dia Mundial da Arqueologia Google Earth ou algo neste sentido. Bem, o arqueólogo David Thomas também pensou nestes benefícios, e já colheu frutos.

domingo, 20 de julho de 2008

Anima Mundi - Diário do Estúdio Aberto - 21/07/08

C'est fini. Agora só em Sampa, de 23 a 26 de Julho.

Apesar das 95 animações atendidas, a sensação de que teve pouca gente. Em nenhum momento a fila encheu de ponta a ponta e além, coisa que até rolou durante a semana. Mas talvez o dia que mais famílias - não só o filho, mas mãe e pai também - participaram com suas animações, talvez mais que nos outros anos, até. É uma sensação muito legal! Curioso ver a turma que surgia na última das horas, "puxa, mas hoje é o último dia?" Todo ano é assim. Acontece.

Na sessão premiada, o que já havia destacado, Le Petit Maison en Cubicles. O ganhador de curta foi o que já se esperava, O Dossiê Rê Bordosa, que não tinha visto. Todo em stop-motion, com rotoscopia a partir de filmagem com os entrevistados, muuuito maneiro! Não me vejo fazendo stop-motion jamais, mas admiro muito esta técnica. Qualquer iniciativa que surja eu tenho o maior prazer em assistir.

Pulou o último salto, mexeu a última pose, deitou o último lápis, clicou a última foto, rabiscou o último quadro. A Anima Mundi continua em São Paulo, mas para o Rio, somente em 09, agora. O que significa para mim também, uma vez que infelizmente não seguirei com o festival. Pena, pena. Aquele cansaço com alegria. Meu Natal em Julho acabou. São Paulo, divirta-se!

Anima Mundi - Diário do Estúdio Aberto 08 (18 e 19 de Julho)

Após uma sexta sem maiores incidentes, sábado foi meio sui generis, com uma fila se materializando quase do nada pelas 14:30. A praia deve ter segurado o pessoal, imaginamos. O destaque de sexta, pra mim, foi o Papo Animado com James McCoy, do departamento de animação da Blizzard. Animal! Quando chegamos às perguntas e respostas, fui o primeiro, e pude perguntar que, dado o know-how que eles já têm em ilustração, animação e, como qualquer um jogador de seus video-games bem sabe, roteiro; se havia planos para algum longa-metragem ou série de tv por parte da empresa. Ele sorriu e respondeu, começando com This is the best question of the world. Mas que, dado os tantos compromissos com seus próprios jogos, a Blizzard não tinha condições de, no momento, dedicar-se a isto. Mas que vontade não faltava.

Legal ver como outra gigante no mercado de animação, por mais 'paralelo' que seja, ainda preza a importância em se saber desenhar e pintar à mão, antes de se ir para o computador. Muito legal, mesmo!

Jean Ann Wright é uma roteirista profissional de animação no Rio a convite do evento para dar uma workshop do assunto, da qual infelizmente perdi o prazo de inscrição. Tem um livro muito bom sobre o assunto, Animation Writing Development, do qual possuo um exemplar.

Não me furtei em pedir um autógrafo dela, hoje, na já tradicional festa dos animadores. Simpaticíssima. Pelo visto nem deu trela pra gafe do outro dia.

Além disto, ainda na festa uma demonstração de Pika Pika, animação com canetas de luz em pleno ar. O vídeo do link não faz jus a todo o processo, dá realmente, se tivermos controle na mão, ou algum parâmetro para nos guiar, fazer desenhos no ar sequenciais, e depois com as fotos rodar de uma vez e termos uma animação.

Pensei, que glorioso isto ficaria com holofotes no deserto à noite, fotografado por satélite.

Amanhã, the last goodbye...

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Anima Mundi 08 - Diário do Estúdio Aberto (16 e 17 de Julho)

Ontem, quarta-feira, logo de cara, apareceu o casalzinho do dia anterior, aquele que fechou o estande com ela em dúvidas sobre a nossa confiabilidade em respeito da idéia dos outros. Ele, amarradão para participar, ela, em sérias dúvidas sobre se e como fazer. Menina, você precisa relaxar!

Apareceu um guri de doze anos, reincidente, que irá tomar o emprego de todos nós. É conferir no link.

Mais tarde peguei duas sessões com coisas muito boas, primeiro a Curtas 13, na qual destaco positivamente Monsieur Cok e De Zwemies.

Mas foi a seguinte que tinham coisa realmente ótimas, a Curtas 4, na qual destaco La Maison en Petit Cubes, que apesar do nome é japonês, e que me lembrou um pouco do holandês Father and Daughter, também do AM de temporadas passadas. Ainda desta sessão, Bolides, Key Lime Pie e Voodoo. O exagero da ação marca estas três produções, engraçadíssimas, e o traço muito bom nas duas últimas, especialmente KLP.

Hoje foi um dia também tranquilo, sem maiores variações, já com a dose de amigos e reincidentes que se espera. Notei que houve mais pais e mães animando do que nos outros dias, isso é bom. Fui entrevistado por uma emissora que tem um passarinho desenhado no microfone, nem sei qual.

As sessões que fui ver depois já havia visto, nem fiquei para o final.

Amanhã o lance será o Papo Animado, com o pessoal da... Blizzard.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

I GNU Graf

Já estão abertas as inscrições do primeiro evento de computação gráfica com software livre do estado do Rio de Janeiro, o GNU Graf.

Com o objetivo de difundir o uso das ferramentas gráficas de software livre para profissionais e estudantes da área de propaganda, designer, vídeo, animação, som e áreas afins, irão acontecer 8 palestras, com duração de 1 hora cada, durante todo o dia do evento.

Serão abordada palestras de:

Inkscape - Desenho Vetorial
Gimp - Edição de Imagens
Cinelerra - Edição de Vídeo não Linear
Lives - Edição de VJ
Ardour - Edição de Audio Multipista
Jack - Integração de Softwares de Audio
MUAN - Sistema de Animação Desenvolvido Pelos Profissionais da IBM e Anima Mundi
Blender - Animação 3D Edição de Vídeo e Game Engine Numa Só Plataforma

O evento ocorrerá na Universidade Estácio de Sá - Campus Pres. Vargas

Av. Presidente Vargas, 642 - Centro - Auditório do 9º Andar

Para inscrição e maiores detalhes acesse o site http://gnugraf.org/ENTRADA FRANCA!

***

E pensar que quem tá organizando isto aos 15 anos apareceu lá no estande, de punk, e fez uma "animação podre" de um rato no lixo... quem te viu, quem te vê...

terça-feira, 15 de julho de 2008

Anima Mundi 08 - Diário do Estúdio Aberto (14 de Julho)

Mais um dia, mais um dia. 94 animações atendidas, or so.

Fechando a casa, pintou um casalzinho. Ela, Letras, sem saber o que fazer direito, acabou por fazer algo rápido, até porque já íamos fechar, resolveu fazer algo com poesia concretista. Ao apresentar para filmar, e ser apresentada ao termo de concessão de direito de imagem, deu pra trás. Desconfiou. Queria ter certeza que sua obra fosse sua, e apenas sua.

Obviamente que eu não podia deixar passar em branco.

"Em todos esses anos nesta indústria vital" - comecei o célebre texto de um dos episódios imortais do Pica-Pau - "esta é a primeira vez que isto me acontece" - completou o namorado, desencanadão.

Ela, irredutível. Começamos a conversar sobre isso, e acabamos falando sobre o MUAn, Linux, software livre -- nada, não acreditava em nada. Achava que começava na boa vontade, terminava no lucro e ambição de alguns. Ok. Historicamente, ela está até certa. O início da era dos micro-computadores, seus desenvolvedores e a M$ podem ser resumidos assim. Mas não quis nem que se filmasse para ver o resultado, sem salvar. Pobre Alan, ela não acreditou nele. Rimos muito, claro, e este episódio será um que lembraremos nos anos a seguir.

E o namorado desencanadão entregou numa boa. "Você assinar a autorização?!" Bem, sim...

Na sessão das 19h da Praça Animada, o curta Despejo, que meus prezadíssimos Gustavo Almeida e Leonardo Siqueira participaram. Gostei muito do que vi, embora achasse que terminou meio que de repente. No geral, bastante satisfatória.

Ainda a destacar de hoje, uma gafe: ao se aproximar da oficina, a tradutora que conheço de milênios de Anima Mundi, acompanhada de visitantes estrangeiros que era óbvio que eram da área, perguntou-me se eu poderia explicar com era o nosso processo. Apesar dos óbvios e dos ululantes, abri com um sonoro: "First of all, are you used to animation?".

Desce o pano, rápido.

Anima Mundi 2008 - Diário do Estúdio Aberto (11 a 13 de Julho)

Mais um ano, e já temos mais uma Anima Mundi. Como de costume, estou no estande 2D do Estúdio Aberto, explicando para várias pessoas como se faz o básico da animação no papel. Revejo o companheiro já de década, pelo menos, Alan, excelente pintor e artista plástico, também em nossa pequena luta. Além dele, Léo, de pelo menos já um ano e Camila, novata nisto tudo.

Três dias se passaram já, e tudo corre dentro do que conhecemos. Crianças e mais crianças curiosas para aprender, algumas afoitas, outras tímidas, outras sem a menor paciência mas que os pais estão doidos para que faça, e tratamos logo de esclarecer que a idade é mínima, e não máxima. Alguns pais e mães nessa hora sorriem, e acabam curtindo mais do que os filhos.

(E falando em idade mínima, é curioso a incidência de leoninos em nosso estande!)

Neste domingo, um senhor apareceu, uma figura rara, aro dos óculos feito de durex, ou que já recebeu tanto conserto que parece ser feito de durex, e quis saber como é. Expliquei. Ele queria fazer algo que, no frigir dos ovos, seria um show de slides, com figuras - ou ainda, no caso, frases - desconexas, sem um senso de desenvolvimento necessário na animação. Tentei uma solução de compromisso: ele escrevia suas frases, porém desenhava algo que fosse se deslocando a cada folha. Expliquei, ele entendeu, e fui verificar outros clientes, etc. Só o encontrei depois, querendo saber como digitalizar. Já havia dito que não tinha computador ou e-mail, e que apenas gostaria que sua animação fosse digitalizada. Eu o encaminhei à fila, mas ele acabou se desentendendo com a própria, disse que haviam passado à frente dele (o que foi contestado), entregou para mim os desenhos e tomou seu caminho.

Meio que para surpresa nossa, as tais frases eram como se fossem slogans pró-FARCs, e de animação, nada muito discernível. Bem, no estande somos apolíticos, claro. Mas nessas horas noto que, apesar de estarmos lá para tirar as dúvidas, parece que as pessoas não sabem expressá-las (por mais que perguntemos) ou mesmo que têm dúvidas.

Alguns 'reincidentes' foram vistos: fregueses nossos já fiéis, que começaram a aparecer no estande de maozinha dada com a mãe e agora estão de maozinha dada com a namorada. Alguns até já seguindo carreira na área.

Consegui ver algumas sessões. Duas delas de longa-metragens, 'Princesa' e 'Delgo'. Este último, uma animação 3D convencional, uma história de Fantasia para crianças, dá pra divertir. Já o primeiro (abaixo melhor resenhado) seria melhor definido como a animação que Quentin Tarantino faria, se resolvesse se aventurar no campo. Eu lembrei de Kill Bill direto. Como tal, não apenas tem uma história impactante na violência e exagero, mas graficamente é muito bonito, com uma bela mistura de técnicas.

Pretendi ir, segunda, na sessão no Oi-Casagrande. Mas acabei enrolado e enrolando.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Princess



Spoilers abaixo.

De lá do Anima Mundi nesses primeiros três dias, destaco este longa dinamarquês de 2006, aqui no Brasil como Irmão Padre, Irmã Puta.

O desenho segue técnica mista, primariamente sendo animação tradicional, a traço, com diversos complementos em CG, não exatamente interessados em sumir da vista, o que aqui é bom. Segundo o IMDB, 20% da obra é filmada com pessoas de verdade - e um traços mais interessantes é que nesses 20% os seres humanos, carne e osso, interpretando, estão em fitas de vídeo, assistidos pelos personagens animados.

A história é ao redor de August, ex-padre que retorna à cidade natal para cuidar da sobrinha, filha natural da irmã, morta por overdose, envolvida em prostituição e feita uma porn queen de sucesso. August se remói de culpa por ter se envolvido no início da carreira da irmã, e nada ter feito para impedí-la de seguir nessa vida. Ao levar a sobrinha, vai descobrindo aos poucos as marcas, físicas e emocionais, da criança, que em seus breves cinco anos de idade obteve por estar em contato direto com este meio. August, então, horrorizado por ver a irmã exposta em tantas bancas de jornal, locadoras e quetais, resolve exigir que todo o material pornográfico com a falecida irmã seja retirado -- nem que para isto se chegue às proverbiais últimas consequências.

Se Quentin Tarantino fosse dirigir um longa de animação, o resultado seria isto. Seja pelo apuro estético, seja pelo impacto da violência explícita ou de roteiro, é Kill Bill de ponta a ponta.



Faltaria a Tarantino, entretanto, certos momentos líricos presente na obra, que aspiram a tempos mais felizes: do sonho da gaivota ao personagem Multe, este o momento do conto de fadas no meio de uma história de terror, com abuso infantil, morte e sanguinolência, dando o silencioso tom daquilo que está certo ou errado (e sem encher o saco do público no processo, algo fundamental).

Dirigido por Anders Morgenthaler, dinamarquês já com algumas obras em seu currículo.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Criminalização na Internet...

Vindo na onda da fiscalização intensa na Internet sobre questão de pedofilia, um projeto de lei do senador Eduardo Azeredo (PSDB - MG) procura criminalizar a pirataria de episódios de televisão, livros escaneados, etc., mas também o fansub, que é a legendagem gratutita feita por fãs (e consequente distribuição gratuita dos episódios) - porém, perde totalmente a noção ao ir contra o fanfic, que são histórias feitas por fãs (fanfiction) de personagens em geral de quadrinhos, e disponibilizadas na internet gratuitamente.

Lúcida como sempre, Carol resume bem a questão.

Não é impressionante como, na hora de legislar, a maneira mais certa de "mostrar serviço" ao povão é proibir?

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Pô, eu queria...

Pra você, que não entendeu quando desenharam, Animator Survival Kit. Em vídeo-aulas.

Caro que nem o quê. Pena.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Polícia Global?

Em uma especulação levantada por um jornalista, no trailer dum programa da Globonews, ele se perguntava se não era hora de entrar no Zimbabwe e remover na marra o ditador que "ganhou" as eleições semana passada do governo.

Que tal voltarmos um mês antes, e nos perguntarmos sobre a junta militar no Mianmar, que condenou sua população costeira à fome e à doença, por recusar e regular tanto a ajuda internacional? Infelizmente essa história já saiu dos noticiários.

Que tal voltarmos uma década antes, e nos perguntarmos sobre a invasão indonésia no vizinho Timor Leste, em uma ocupação brutal, não provocada, que fez com que o país reduzisse a população a cada ano, até dar crescimento anual negativo?

E ai, é claro, qual leão que se chamará para afugentar o lobo, e quem vai querer abrir a primeira exceção? E qual é o parâmetro para a indignação global virar ação? Certamente não é a atual faxina tribal no Sudão, e muito menos a invasão do Tibete...

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Ingrid Betancourt solta...

... desnecessário dizer, até que enfim. Os filhos estão viajando para encontrá-la neste momento. Que ela possa, enfim, descansar entre os que a amam.

Perguntada sobre, caso pudesse voltar no Tempo sabendo o que passaria, faria política, ela disse que chegou a termos com isso há tempos no cativeiro, e disse que era seu destino conhecer as FARCs por dentro - e que faria tudo de novo.

Mulher corajosa. Passou uma experiência extraordinária, no sentido literal da palavra. A muitos parece óbvio dizer o contrário, viver na segurança, perto dos filhos, dos amados. Mas somente quem passou pelo que ela passou para entender. Não digo que entenda, pessoalmente. Mas respeito, e admiro.

Bem-vinda de volta.

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Cyberbárbaros digitais...

"Professor, o transferidor está descalibrado."

- de um aluno de engenharia eletrônica, 9o. período.

"Nois querem Internet"

- faixa impressa a laser em um centro comunitário.

E houve alguns outros. A fonte era um professor de Engenharia, que não se continha. Tudo porque peguei carona em algo que ele disse e retruquei, "Como dar teclado para quem nem sabe escrever?"

Tempos de ignorância digital...

domingo, 29 de junho de 2008

Ok...



... eles fizeram de novo.

E mais, não consigo dizer: apenas assistam.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Todos os Nossos Veteranos...

Então o Lula quis homenagear os veteranos do futebol, criando um fundo assistencial a jogadores de Copa do Mundo que estejam passando necessidade. Ok, bela homenagem.

Mas diz aqui uma coisa: como anda a situação dos nossos outros veteranos - os da FEB?

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Historinha de terror...

... disneyana na vida real.

Caso o link não abra:

"Ativistas tentam libertar indiano preso por fazer de urso animal de estimação
Associated Press

Em Nova Déli (Índia)
Era para ser um conto de fadas de um homem que tirou das florestas do leste da Índia um urso órfão e o levou para casa para criá-lo como parte de sua família, consolando a filha pequena que havia acabado de perder a mãe. Mas quando funcionários de uma entidade do governo indiano conheceram a história na imprensa indiana, na última semana, o conto de fadas dissipou-se.

Ram Singh Munda, 35, foi preso por violar leis do país, que proíbem a domesticação de animais selvagens; o urso foi enviado a um zoológico onde tem se recusado a comer e a filha, de seis anos, foi mandada de navio a um orfanato estatal.

Agora, ativistas de defesa dos animais, impressionados pelo ato de Munda, estão protestando por sua liberdade. "Condenamos fortemente a maneira como os funcionários do departamento florestal prenderam o pobre analfabeto que não sabia da legislação do governo", disse nesta terça-feira Jiban Ballav Das, chefe do grupo "Pessoas pelos Animais" da província de Orissa.

Munda, um trabalhador que pertence a uma tribo indígena que mora na floresta 200 quilômetros ao norte da capital da província, Bhubaneswar, disse que encontrou o filhote de urso no ano passado quando recolhia gravetos.

Ele levou o urso, chamado Rani ("Rainha", em português), para casa e fez dele seu animal de estimação.

Imagens de TV gravadas antes da prisão mostram o urso brincando com a filha de Munda, Dulki, enquanto tentam subir na traseira da bicicleta do indiano.

Se for condenado, Munda pode pegar até três anos de prisão. "Eles me prenderam. Como minha filha sobreviverá?", disse Munda a uma subsidiária da rede americana CNN enquanto era levado para a prisão. "Não entendo porque fui punido por cuidar de um urso que havia sido abandonado na floresta e que teria morrido se eu não o tivesse trazido para casa".

O diretor do zoológico de Nandan Kanan, para onde Rani foi levado, defendeu a decisão do governo. "Munda foi preso em respeito a uma lei que tem como intenção proteger a vida selvagem", disse.

Entretanto, o ativista Jiban Das afirma que apesar de condenar a retirada de animais do meio selvagem, apóia a atitude de Munda de tentar recuperar o urso e diz que o governo está sendo muito rigoroso. "Ele nunca torturou o animal, nunca o utilizou para propósitos comerciais. Portanto, não deveria ser preso", disse Das.

No zoológico, Rani está em uma jaula isolada e está se recusando a comer. "Os ursos desenvolvem grandes laços com os seres humanos e são muito ligados a seus tratadores", disse Biswajit Mohanty, secretário da "Sociedade para a Vida Selvagem" de Orissa.

Já Das afirma que Munda ganhará um emprego assim que for solto. "Decidimos dar a ele um emprego em nosso centro de reabilitação de animais".

Fonte: Notícias Uol.

domingo, 22 de junho de 2008

Onze Homens e Nenhuma Noção 2

Entrevista muito interessante ontem no Painel, apresentado por William Waack, na Globonews; com três especialistas na área de segurança: General Candido Vargas Freire, secretário de segurança do DF; Coronel Geraldo Cavagnari, do núcleo de assuntos estratégicos da UNICAMP; e Luis Eduardo Soares, ex-Secretário Nacional de Segurança.

O exército está sendo usado para uma obra eleitoreira, de pouco relevo social, mas que à distância parecerá muito bonito, uma vez que Incrivella convenceu Lula de que usar o Exército para construir e reformar casas era uma ótima idéia. Isso foi dito com todas as letras e mais algumas.

De resto, muita coisa interessante, além do óbvio: a política de segurança não pode ser... política.

Quem conseguir pegar uma reprise, vale à pena.

UPDATE: Para não precisar de depender de reprises, eis, na íntegra, a entrevista. Agradecimentos ao meu prezado Dom Gárgula, que cavou tudo e me passou o código para este vídeo.

Parte 1


Parte 2

sábado, 21 de junho de 2008

De Olho Neles - por Vitor Barone

Sem o menor pudor, roubei lá do Escrevinhamentos, do meu caríssimo Barone:

"As eleições estão se aproximando e é bom ficarmos a par do que os candidatos a reeleição andaram aprontando. Os links abaixo são bons pontos de partida para analisar o comportamento deste pessoal.

Transparência
O Site Transparência traz informações sobre tudo o que ocorre de suspeito no legislativo e no executivo Brasil a fora.

Excelências
Históricos dos parlamentares brasileiros. Processos na Justiça, como gastam o dinheiro que recebem, quem financiou suas campanhas eleitorais e muito mais.

Como são nossos parlamentares
Como são nossos parlamentares? Levantamento realizado no âmbito do projeto Excelências desvenda o histórico e o comportamento de todos os parlamentares pertencentes à Câmara dos Deputados, ao Senado Federal, a todas as Assembléias Legislativas estaduais e à Câmara Distrital de Brasília."

quinta-feira, 19 de junho de 2008

O Incrível Hulk

Spoilers, tá, gente?

Uma lição que nós temos desse filme é que é os Super-Heróis podem ser das propriedades intelectuais mais difíceis de se ter um trabalho (por demais) autoral, especialmente se falamos em cinema: ele são por demais prisioneiros do gosto popular e da cultura pop.

É só comparar com o Hulk de Ang Lee, que apesar de alguns momentos interessantes, teve coisas absurdamente desnecessárias além um roteiro sobrecarregado de dramas, não obstante Eric Bana e a estonteante Jennifer Connely como Betty Ross. Ou lembrar dos filmes de Batman do Tim Burton, que publicamente dizia nunca ter lido nada nos quadrinhos do personagem (e que só parecem que são bons hoje porque logo em seguida vieram os filmes do personagem dirigidos pelo Joel Schumacker, para realmente se saber o quão ainda podia se piorar).

O Incrível Hulk é mais um filme produzido pela própria Marvel, ao invés de outros estúdios, e é um filme bem mais ao gosto do fã, com bastante ação e direto ao ponto, porém mantendo a carga dramática do personagem.

Ignorando o filme de 2003, este filme começa, entretanto, onde o outro teoricamente pararia, com Banner longe de tudo e de todos, tentando encontrar uma cura, ao mesmo tempo que tenta se esconder, após sua terrível origem -- contada em retrospecto em flashes pelos créditos de abertura, uma maneira ágil e bem sacada de não ter que repetir tudo que um outro filme recente, bem ou mal, já apresentou.

Mas também não é a mesma origem do outro ou a clássica dos quadrinhos, mas, surpresa: tem muito a ver com a antiga série dos anos 80 (e aqui também temos outra participação de Lou Ferrigno), com um experimento em laboratório mal-sucedido (aparelhagem bem similar à cadeira de raios-gama). A vida itinerante de Banner é explorada, e em dado momento até aquela música triste ao piano, no final de cada episódio, é tocada - ei, tem Jack McGee no filme! Um Jack McGee, pelo menos.

As referências nos quadrinhos dão a mão à linha Ultimate, como foi com o excelente filme do Homem de Ferro, e o elo entre os filmes continua sendo construído: dessa vez é o próprio Tony Stark - sim, por Downey Jr. - que vem falar de um grupo sendo montado ao final do filme (mas não dos créditos) ao General Ross (pelo sempre ótimo William Hurt).

Falando em elenco, todos estão muito bons: o citado Hurt; Edward Norton, versátil como sempre; o ótimo Tim Roth como o Abominação e, bem, pena que Jennifer Connely tenha sido cartucho queimado no outro filme. A princesa elfa que me desculpe, mas os olhos-gama de La Connely são insuperáveis.

Além da presença de Stark, a semente está lá para futuros filmes, na promessa do surgimento de um clássico vilão do Hulk.

É, de fato, uma boa época para os filmes da Marvel, e de Super-Heróis em geral. Sugerindo que O Homem de Ferro tenha nota 10, este filme é nota 8, mole.

Nos trailers, o do novo Batman, uma refilmagem em 3D de 'Viagem ao Centro da Terra' (galera da labirintite, cuidado: vertiginooooso...), um teaser de Kung Fu Panda e o meu próximo filme esperado, a comédia de Super-Heróis Hancock.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Onze Homens e Nenhuma Noção

Deixa ver se entendi: onze soldados do Exército venderam três jovens para traficantes do Morro da Providência, onde um trabalho social proposto pelo Incrivella está rolando e com a ajuda desta força armada; e após o negócio fechado os guris foram devidamente executados pelos meliantes.

Que o Exército tenha uma relação de negócios com os traficantes, é até de se suspeitar. Soldados, afinal, vêm das camadas baixas da população, a chance de um deles morar em uma favela - e uma favela controlada pelo tráfico - me parece boa. Um sargento-armeiro deve ser particularmente valorizado, depois que dá baixa - se é que se esperaria pra isso. De vez em quando vem notícia de algum depósito onde armas são roubadas, assim-assim.

Mas que o rol dos negócios incluía mercadoria humana, era novidade. A pergunta que eu ainda não vi sendo feita é: até onde e com quem mais, no Exército, essas negociações vão?

E ainda, quem irá se utilizar de maneira mais manipulativa esse ocorrido? Os contra a candidatura do senador-prefeito, ou o lado dele?

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Aos Enamorados...

... sejam eles namorados, noivos, casados, cúmplices -- parabéns pelo dia de hoje!

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Um Homem Sério?

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do RJ, desembargador Roberto Wider, em reunião segunda-feira com 13 dirigentes de partidos políticos disse que, se forem lançados candidatos com ficha suja, eles serão impugnados pela Justiça Eleitoral.

Mesmo que apelos ao TSE sejam atendidos, o dano à imagem do candidato já terá sido feita, e ai é com o eleitor.

Sobre recorrer de uma decisão, segundo ele, "todos são independentes e devem julgar conforme a consciência. Levantamos apenas uma bandeira. Nosso objetivo é a melhoria do padrão político."

Os líderes de partido receberam a notícia com um "silêncio mortal".

UPDATE: Entrevista com o Homem Sério hoje n'O Globo, onde explica porque, apesar da decisão do TSE por 4x3 sobre a elegibilidade de quem enfrenta processo, o TRE do Rio continuará a manter sua linha sobre o assunto -- alertando aos políticos que 'festejaram' a decisão contrária não será o oba-oba (já que festejaram) que estão pensando.

terça-feira, 10 de junho de 2008

ET Honk Home!

Roubado lá do Mausoléu, este é o GINA, um carro conceitual da BMW, que usa tecido ao invés de metal na carroceria, para deixá-lo bem leve.



Curiosamente, o orgânico agora não é somente nas formas, mas no comportamento do objeto.

Concordo com Dom Gárgula: Aquela piscadinha ao final é sensacional.

Uma rápida.

"Neste país de 180 milhões de brasileiros pode ter igual, mas não tem, nem mulher nem homem, que tenha coragem de me dar lição de ética, de moral e de honestidade." (Lula, 22/07/05)

Hum.

O Dr. Adib Jatene chegou a ser Ministro da Saúde do governo Fernando Collor de Mello, até que o "Escândalo do Guarda-Chuva", em que um assessor fez um super-faturamento de bicicletas e guarda-chuvas dentro do Ministério, terminou por derrubá-lo. Apesar das investigações terem-no isentado, ele compreendeu que, sendo um assessor dele, nomeado, não justificava ele continuar no cargo: delega-se a autoridade, mas jamais a responsabilidade.

Mas, agora, se o 'homem mais ético' do Brasil, aquele que nunca vê ou sabe de nada, nem disso sabe... ai complica.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Escrevinhamentos...

... meu camarada Victor Barone, jornalista, de blog no ar, já também na coluna ao lado. Parabéns pelo livro, véio!

E fotos do evento estão aqui!

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Mamãe Natureza...

... é uma maldita piranha que não faz prisioneiros.

Primeiro Vôo de Balão?

O Google pôs até um logo bonitinho para comemorar este 4 de Junho. Mas, como notou este aqui, seria legal se houvesse confirmação em algum lugar do aniversário do evento e do invento de um outro padre voador, este mais sábio, chamado Bartholomeu de Gusmão que, em 1709, percebia que poderia haver ai algo mais.

Apesar da idéia de Brasil ainda ser apenas "aquela - rica - colônia ultramarina" na época até por quem o habitava, não deixo de sentir que, de certa forma, tanto a Passarola quanto, quase 200 anos mais tarde, o 14-Bis decolaram para nunca mais voltar às nossas mãos. Se de houve em algum momento uma visão do governo português ou do brasileiro, certamente não foi aqui.

terça-feira, 3 de junho de 2008

40 x 15...

Esse foi o placar da impunidade.

A ALERJ, insistindo em estragar meu dia, resolveu que a prisão do deputado Álvaro Lins (PMDB) era indevida, e baseado no princípio da imPunidade parlamentar, mandou soltá-lo.

Eu não sabia que esses putos podiam fazer essa gracinha. Cadê a independência dos 3 Poderes?

Cidinha Campos (PDT) resumiu: "“Na hora de defender deputado vão buscar na Constituição Federal amparo para defendê-lo. Isso é porque 40% dessa Casa são envolvidos com a marginalidade, o tráfico, grupos de extermínio, extorsão e milícias."

Enfim...

segunda-feira, 2 de junho de 2008

E falando em Monteiro Lobato...

... dez motivos porque eu acho ele foda.

* Não só escrevia, mas ilustrava. Por ele, teria feito Belas-Artes. O avô é que cismou com Direito.

* Cruzou referências literárias, históricas, mitológicas e de cultura pop, independente da origem nacional em suas histórias.

* De tanto que encheu a paciência do Getúlio com cartas não muito bem educadas, foi preso por defender a existência de petróleo no subsolo brasileiro.

* Mandou cartas não muito bem educadas a um ditador.

* "O Petróleo é Nosso": Organizou companhias de perfuração de petróleo.

* "Um País se Faz com Homens e Livros": Fundou duas ou três editoras, trouxe pela primeira vez clássicos estrangeiros da literatura infanto-juvenil para o Brasil, traduzidos por ele próprio.

* Lygia Bojunga Nunes devorava seus livros a partir dos sete anos, fundamental para que ela própria se tornasse uma escritora de livros infantis.

* A menina estudava piano, compenetrada, de postura correta, o nariz sempre empinado, e é observada por Lobato, seu vizinho de frente, que por isto cria a Menina do Nariz Arrebitado. E a jovem estudante é Guiomar Novaes.

* Fez um desenho animado (tá, essa eu sou suspeito).

* Escreveu Ficção-Científica (tá, essa eu sou suspeito - 2).

Desculpem minha ignorância, gente... mas Modernistas pra quê?

X Salão do Livro Infantil

No MAM do Rio de Janeiro. Foi até ontem. É, eu sei, não ajuda muito.

Não ia comprar nada, mas mega-descontos de até 60% me fizeram mudar de idéia, e com os vôos rasos da cegonha ultimamente, comprei até pra mim (non-cegonha-wise).

Eu tenho um certo fascínio pelo livro infantil. Não tinha tantos 35 anos atrás, ou ao menos não tão bonitos, e eu procurei então. Ricamente ilustrados é dizer pouco.

Noto o quão difícil é terminar um livro infantil. Se terminar um adulto às vezes é sacal - apesar daquela moleza instituída pelo Umberto Eco n'A Obra Aberta', em que as histórias nunca de fato terminam, blá-blá-blá -, que dirá uma história mais simples, mais direta ao ponto, até pela necessidade de seu público? Sempre li que havia pelo menos duas sub-artes localizadas dentro da arte da escrita, a de escolher um título e a de terminar uma história.



Isso ai acima foi o que eu comprei pra mim. Nem sabia que existia. Lusíadas 2500, o clássico de Camões transposto para uma HQ o mais Ficção-Científica possível (moça, não surte, por favor), porém mantendo o texto original. Ainda estou a ler.

Comprei no estande da IBPE/Companhia Editora Nacional, esta uma das editoras que Monteiro Lobato criou. Lá, inclusive, havia os clássicos d'O Sítio do Pica-Pau Amarelo', assim como as traduções pelo próprio Lobato de clássicos estrangeiros, tais como 'Mowgli' ou 'Alice no País das Maravilhas', que por ele foram publicados pela primeira vez no Brasil. Monteiro Lobato rocks.

Ainda vi Lygia Bojunga Nunes em outro estande, autografando seus livros. Adorava quando criança. 'A Casa da Madrinha', 'Os Amigos', 'A Bolsa Amarela'. Não resisti e fui falar com ela, esquecendo por alguns momentos que eu tenho quase quarenta. Simpaticíssima, agradeceu minhas palavras. Vinte anos antes, fui falar com Zilka Salaberry, a eterna Dona Benta de minha geração, em uma sensação semelhante.

Foi divertido, enfim.

Farda, Fardão, Camisola de Dormir...

Sábado último o Segundo Caderno d'O Globo traz uma matéria curiosa, sobre uma biografia - O Mago - do Paulo Coelho e como um de seus primeiros livros, Manual Prático do Vampirismo, haveria sido feito por um ghost writer. E como a ABL, de olho no retorno financeiro que um nome como ele em suas fileiras, resolveu o escolher.

Que a Academia Brasileira de Letras é um eterno nome errado, eu já sabia: foi montada nos moldes do Petit Trianon francês, sendo mais um clube de notáveis da república do que de escritores, propriamente ditos. Chá e poir, queriam acolher Ulysses Guimarães tendo como base seus discursos. Escolheram José Sarney ao invés de Mario Quintana, que já havia tomado duas bolas pretas antes desta. Enough said.

O livro de Jorge Amado, no título acima, é uma boa dica sobre como se escolhe um 'imortal'. Acho que é hora de relê-lo.

domingo, 1 de junho de 2008

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal...

... nem creio que já ia deixando de comentar.

Há quem ache que é o mais fraco dos quatro, eu não tenho certeza, precisaria rever o terceiro, do qual não sou particularmente grande fã. Acho que em 89 o Spielberg genial dos filmes com maluco como 'Encurralado', 'Tubarão' e 'Contatos Imediatos do 3o. Grau' foi substituído pelo Spielberg família, pela-saco, cheio de concessões e babação, tudo em prol da família, nhenhenhé. George Lucas em 83 já demonstrava isso. Indi não mata ninguém de tiro, se não me engano, nesse filme.

O filme tem um excesso de gordura no elenco. Se comparado ao segundo filme ('O Templo da Perdição', que cada vez aprecio mais), que desliza apenas com três protagonistas, o filme tem que contar com Indy, Mutt (o jovem parceiro), Maryon (o interesse romântico do herói, com a diferença que é o antigo amor do primeiro filme, até tem umas cenas legais pra ela), John Hurt (como reserva moral geriátrica, talvez, como observou um amigo meu, em substituição a Sean Connery) e o cara que serviu de modelo pro Beowulf como traíra de plantão -- sendo que os três últimos pareceram desnecessários entre o meio e o totalmente.

É engraçado comparar com Máquina Mortífera 4, em que existe também ação, comédia, e procura um sentimento de família entre os personagens do elenco -- mas que não se preocupa em fazer concessões. Se não me engano o filme que apresentou Jet Li ao Ocidente, MM4 senta o dedo e quebra o pau como todos os demais da franquia.

Apesar do que, ainda é um filme muito bom de ação e aventura. Ainda é Indiana Jones. As mentiras estão lá, para pular na cadeira, para rir e para os obtusos acharem 'um absurdo'.

Uma característica interessantíssima dessa história é o investimento das lendas do Século XX: diferentemente de, por exemplo, o Cálice Sagrado, IJ IV investe em coisas como a queda do disco-voador em Roswell, o programa soviético de percepção extra-sensorial e os crânios de cristal do nome do filme, que certos médiuns afirmam que olhar em suas órbitas garante comunicação com entidades de esferas superiores ou quetais.

É um filme que faz a transição da 'era Pulp', da literatura de aventuras impressas em papel vagabundo das primeiras décadas do Século XX -- e de onde vem 'Doc Savage', 'O Sombra', e até mesmo 'Tarzan' --, para a Ficção-Científica, sua descendente natural. Já capta o clima de Guerra Fria e a paranóia anti-comunista americana, uma temática comum dos filmes do gênero durante os anos 50.

Tirando uma ou outra cena realmente desnecessária (o que foi aquilo com os malditos macacos?), continua sendo diversão garantida. Ainda deverei rever.

Caos na Internet...

... ThePlanet, um dos maiores hosting providers da Rede Mundial pegou fogo. 9.000 servers fora do ar - cada um hospedando cerca de dez a quinze mil domínios, segundo quem me informa. Façam as contas.

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Sauron Gathers His Army...

... Crivella se alia aos Garotchenhos atrás de apoio para a prefeitura do Rio.

Apesar de tradicionalmente um grupo de lavadores cerebrais de massas não gostar do outro (lógico, competem na mesma seara), aparentemente as divergências foram esquecidas.

UPDATE: ler a notícia acima na hora do café da manhã não foi a melhor coisa do dia (até pq a melhor coisa do dia foi, disparado, algo muito mais importante do que isso). Mas ver, na hora do almoço, que hoje mesmo a Polícia Federal desencadeou uma operação que levou à prisão do dep. Álvaro Lins, chefe da polícia civil no governo Garotchenho, em flagrante delito (a imunidade parlamentar não segurou) e que entrou com mandado de busca e apreensão na casa dos estimados ex-governadores do estado do Rio de Janeiro, acusados de formação de quadrilha armada... isso realmente alegra a vida de qualquer um.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Pesquisa com células-tronco...

Hum, espinhoso.

Sim ou não? Sim, eu espero que passe essa lei, até o fim do dia. Os embriões estão ai, já irrecuperáveis, não utilizá-los é non-sense.

Como bem me lembraram, houve uma época em que estudar cadáveres era algo anti-religioso e anti-moral. A ciência avançou depois que estudos foram liberados nesse sentido.

E o Estado é laico (todo mundo votando no Gabeira pra prefeito aliás, ouviram, crianças?), antes de mais nada.

Mas...

Um medo religioso é, até onde entendo, o precedente que isso abre, indo em direção da legalização do aborto, amplo e irrestrito, que é outro assunto pra um outro dia. Ou seja, por trás disto está a noção de solidariedade contra quem não poderia, de forma alguma, defender-se (e que, provavelmente, está a raiz da noção contra o estudo em cadáveres d'antanho: a ressurreição dos mortos nos Últimos Dias, etc.; e como fica, se cadáveres são conspurcados?. Enfim.). Ou que abortos - legalizado ou não - possam suprir uma pequena indústria em prol da pesquisa das células-tronco, algo nesse sentido.

E ai eu não consigo deixar de pensar que a questão não é religiosa. É de afeto. De solidariedade, a quem menos pode se defender nesse mundo. E que, se temos que adotar uma postura neutra - amoral? - quanto à questão científica, eu pergunto: por que a vacinação em massa, especialmente a infantil? Não seria melhor que seleção natural fizesse o seu serviço mediante a exigência do momento, em prol da nossa Evolução?

UPDATE (30/05/08) - E acabou que o STF aprovou a lei de pesquisas com células-tronco. Parabéns ao país, por se dar a chance de obter seu lugar em pesquisa de pontas parabéns ao Supremo pela decisão e pela veiculação do debate, que de nível maior talvez não possa ser; parabéns aos doentes, que agora poderão dispor de mais uma chance aos seus males; parabéns se não a todos nós, um bom pedaço ao menos, por empurrarmos um pouco mais os limites da luz em direção às trevas.

terça-feira, 27 de maio de 2008

Jogos Olímpicos, hein? II

Em Março chiei sobre os Jogos Olímpicos. Chiarei mais um pouquinho.

Perguntando sobre essa chiadeira a um amigo meu, atleta, ele achou que era isso mesmo. Conversando a respeito da 'base' - ou seja, os próprios atletas - poderem fazer eles mesmos a greve contra a idéia do COI fechar acordo com a maior ditadura do planeta, ele titubeou, uma vez que poder ir aos Jogos Olímpicos são a coroação do esforço de uma vida. É. Compreendo. Lembrei que as Olimpíadas de 80 foram, afinal, na capital da então URSS.

Em 1968, este ano fatal, nas Olímpiadas de Verão na Cidade do México, o primeiro e terceiro lugar nos 200 metros rasos, Tommie Smith e John Carlos, atletas americanos, negros, ao pódio durante a execução do Hino Nacional americano eles ergueram punhos fechados com luvas negras, em prol da pobreza dos negros americanos. Deu zica, foram expulsos da comitiva americana, da vila olímpica, só faltou perder a medalha.

Além de ser um delicioso exemplo de 'emoção não programada' de eventos ao vivo, confesso que gostaria de ver algum stunt desses no pódio chinês, alguma hora. Claro que não seria transmitido, a maior ditadura do planeta está aplicando um delay de alguns segundos em transmissões ao vivo, para evitar que imagens politicamente incorretas 'ofendam o povo chinês', como eles gostam de colocar.

Mas certamente saberíamos do ocorrido, e as imagens acabariam surgindo. E lavaríamos a alma. Alguém teria feito algo pela redenção do pecado de nossas omissões.

Ainda a ver...

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Cai mais uma sonhadora...

... a saída de Marina Silva me lembra a de Cristovam Buarque. São os sonhadores que continuam, seis-sete anos depois, os a se machucarem. No luxo que só os de esquerda ainda conseguem, são os que mais vi chegarem longe em suas crenças, seus projetos e sonhos, antes que a escrota realidade, realidade esta estabelecida por um consenso - nunca nos esqueçamos. Juntaria ai Heloisa Helena.

Carlos Minc já nem bem entrou e meteu o pé na porta. A agressividade de quem não tem nada a perder? Tomara que dê certo.

To Infinity...

... and Beyoooooooooooooond!

Fusionman decola. O fascínio por voar é renovado. Dos anos 60 aos 80 se via uma "mochila voadora", que apareceu muito na televisão, inclusive em algumas séries.

Engraçado como esta foto lembra o anjo caindo na capa daquele LP do Led Zepelin.

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Os Doze Reis...

... já ouvi uma variante que seriam 36, mas Jorge Luis Borges, em seu O Livro dos Seres Imaginários, conta que eles são os 12 homens e mulheres justos, pelos quais Deus não dá um ctrl+alt+del geral e acaba com tudo logo de uma vez.

Talvez um eco com a passagem de Sodoma e Gomorra, quando Abraão procura interceder por seus habitantes, e Jeová diz que mesmo que houvessem somente dez justos na cidade, Ele não a destruiria.

Nunca ouvi falar de Irena Sendler até o jantar de hoje, quando no Jornal Nacional se anunciou sua morte aos 98. Perda minha. Enfermeira, assistente social, procurou ajudar os judeus do Gueto de Varsóvia, ao risco de vida. Contrabandeou 2.000 crianças para fora, para conventos, famílias católicas, etc. Presa e torturada pela Gestapo, foi solta por suborno a oficiais nazistas feito por movimento de resistência Zegota (Conselho de Ajuda aos Judeus), que ainda assim a soltaram em uma floresta, com braços e pernas quebrados.

Enfim.

Acho que uma dos Doze, da geração atual, finalmente foi descansar. Esse é o olhar que eu acho que gostaria de ter, se conseguir chegar aos 90. Um olhar leve, tranquilo, de bem com a vida. Mesmo tendo passado pela boca do inferno.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Belo e trágico...

... como o tango. En tus brazos.

Tango, Borges e Buenos Aires. Malditos argentinos.

terça-feira, 6 de maio de 2008

A Revolução Genômica

Começou sexta em São Paulo. Espero que venha para o Balneário, assim como veio a de Darwin. Esse tipo de exposição sim, é que tinha que entrar pro calendário da cidade, e não mega-shows que emporcalham a cidade e só enriquecem anunciantes e patrocinadores.

segunda-feira, 5 de maio de 2008

quinta-feira, 1 de maio de 2008

E o sabor do sorvete é baunilha...

... uma comissão constituída por gente de bom senso - incluindo-se ai João Ubaldo Ribeiro, Nelson Motta, Caetano Veloso - produziu um documento a ser apresentado a quem de direito, contra a noção do valor étnico na política de quotas para estudo universitário.

Defendem que o valor deve ser de renda financeira, e não étnico.

Já era hora.

quarta-feira, 30 de abril de 2008

What's Opera, Doc?



Um dos mais ambiciosos projetos da Warner Brothers para animação, What's Opera, Doc? (1957) é baseado no ciclo de óperas O Anel dos Nibelungos, de Richard Wagner. Curiosamente, naquilo que, em minha humilde opinião, é o "meaty stuff" da animação, o que vemos são passos e passo de ballet clássico, com dois rigorosos minutos de animação, dos 3:21 ais 5:21 do arquivo acima.

Segundo o IMDB, dois bailarinos que haviam já trabalhado em Fantasia (1940), no segmento da Dança das Horas, foram usados como modelos. Explica muita coisa.

Gostaria de ser mais otimista. Mas creio que o Brasil chegou à Animação no Século XXI, sem ter passado pelo Século XX. Não há estrutura que apóie ou justifique a criação de um curta assim. Jamais faremos Pernalonga nos anos 50, ou Betty Boop nos anos 30, ou Disney nos anos 40, ou, ou e ou...