quarta-feira, 17 de março de 2010

E por falar em nivelar por baixo...

... imagino se não seja a mesma mentalidade por trás da socialização dos royalties do petróleo fluminense: se a idéia é ajudar estados particularmente problemáticos - claro, todos os estados têm problemas, mas uns são mais, e bem mais, que os outros -, não seria mais eficaz meter a faca na carne e intervir diretamente na administração dos mesmos? Algum 'choque de gestão', limpando a ineficiência, enxugando a máquina administrativa e combatendo a corrupção? Aposto que não só o dinheiro magicamente apareceria duma sarneylândia da vida e a renda seria melhor distribuída.

Mas não. A idéia é sacrificar alguns votos no SE, que até imagino não sejam poucos, para assegurar que o machismo brasileiro, no N e NE, não atrapalhe o sucesso da campanha presidencial de uma mulher.

Dizem-me que, apesar do frio intenso, em Montreal ele é seco, o que o torna bem mais suportável. Tentador, tentador. Cada vez mais.

Enfim...

4 comentários:

Daniel disse...

Não, meu caro. A ideia nasceu no glorioso Rio Grande do Sul, proposta por ninguém menos que Ibsen Pinheiro. Um dos anões do orçamento, tá lembrado?

Luiz Felipe Vasques disse...

Inesquecível, "logo-o-Ibsen?" Pinheiro.

RS, RS. Que mal te fizemos, RS? Como se já não bastasse nos mandar o Brizola...

Daniel disse...

Isso é birra por causa da reação da Capital (nós, na época) contra a Farroupilha. Ibsen Pinheiro quer vingar Bento Gonçalvez. Só pode.

Luiz Felipe Vasques disse...

Disse o anão do orçamento que a marcha dos 150 mil não era nada, "O Rio fez passeata pela ditadura." Claro, a cidade agora é uma entidade só, com problemas de múltipla personalidade... demagogo filho da puta!